Rock e Direitos Humanos: System of a Down e o genocídio armênio

A chuva caía na fria noite de Yerevan, na Armênia. Ainda assim, uma multidão de aproximadamente 50 mil pessoas aguardava na Praça Central. Antes de qualquer acorde, a imagem em preto e branco de uma criança com as mãos nos olhos é transmitida nos telões, logo acompanhada por uma melodia suave, étnica… armênia. Logo a imagem é alterada e um emaranhado de palavras, imagens e vozes começa a narrar a triste história daquele considerado o primeiro genocídio do século XX. E então, a banda System of a Down sobe ao palco, entoando a significativa Holy Mountains (“Montanhas sagradas”) – uma de suas várias canções sobre conflitos internacionais e o genocídio armênio.

Anúncios

Sobre leis, piratas e heavy metal

Confesso que para minha primeira contribuição com o Superjurídico pensei em escrever sobre um determinado assunto, mas o som de uma simples música me fez mudar de ideia, culpa dos malucos do Alestorm, uma banda de heavy metal pirata (não, pirataria mesmo, nada a ver com download em certas baías da internet) da Escócia. Quando estava conhecendo a banda, me deparei com uma música chamada Capitain Morgan’s Revenge, cuja letra conta uma história sobre um bando de piratas que faz um motim, trai o capitão do navio e o faz andar na prancha. Antes de virar comida de peixe, ele joga uma maldição que persegue a tripulação até o fim de seus dias. Isto porque eles quebraram A LEI, O CÓDIGO...