O X da questão à pessoa com deficiência

Charles Francis Xavier, conhecido como Professor X: mutante, telepata, paralítico, fundador e mentor dos X-Men, diretor da mais importante escola de inclusão social de mutantes do mundo, o Instituto Xavier para Jovens Superdotados. Sua limitação física não o impede de perseguir seu sonho e missão de vida de inclusão social e convivência pacífica entre humanos e mutantes. Em homenagem às lutas, aos sonhos e missões do Professor Xavier e de diversos outros heróis que não desistem ante suas dificuldades e superam desafios, este post elenca as principais normas brasileiras sobre os direitos das pessoas com deficiência, celebrando o dia 21 de setembro, Dia Nacional de Luta das Pessoas Deficientes.

Anúncios

O Batman precisa de um RG?

Recentemente o Batman tentou obter um RG em uma unidade do Poupatempo de Sorocaba (SP), mas não conseguiu por ter se negado a remover sua máscara para a fotografia do pretendido documento. Mas, afinal, o Batman precisa de um RG? E o que é e para que serve esse documento?

Operação Lava Jato, delação premiada e Suíte Bourbon 1407

A Operação Lava Jato é a maior investigação sobre corrupção e lavagem de dinheiro da história do Brasil. Graças à delação premiada, foi descoberto o envolvimento de diversos agentes em um imenso esquema criminoso de corrupção envolvendo o alto escalão da Petrobras (o "petrolão"). Ainda assim, o instituto sofre diversas críticas. A mais inusitada delas é a música Suíte Bourbon 1407, uma referência ao hotel onde se hospedam os advogados dos presos pela Operação.

E se os personagens de Star Wars fossem advogados?

Ao ver esse "e se..." do Blog Juris Correspondente, achei-o a cara do Superjurídico e tive que iniciar minha colaboração neste site compartilhando o belo exercício de imaginação deles, que, mesmo trazendo alguns estereótipos, a bem da verdade, serve para descrever vários perfis de profissionais da advocacia.

Flash, corra das marginais!

Flash, o homem mais rápido do mundo, quando se move em supervelocidade, parece-lhe que todo resto está parado. Mas não precisamos ser um velocista super-humano para experimentarmos essa sensação. Basta (tentar) dirigir nas marginais dos rios Tietê e Pinheiros da capital paulista nos horários de rush: o tempo para. Imagine essa sensação agora que as velocidades máximas permitidas nas marginais diminuiu. Reflexo da preocupação municipal com vítimas de acidentes de trânsito? Tenho minhas dúvidas.